quinta-feira, 2 de julho de 2009

Indireta. . .



Como se fosse brincadeira
Fazer com que meus sentimentos
Se tornassem sofrimento
Pela vida inteira

Como se carência fosse meu subterfúgio
E o teu peito se abrisse
Para eu viver em meu eterno refugio

Isso se encaixa na pirâmide
Do conhecimento falso
Irredutível e inebriante
Não serei salvo

Sobreviverei apenas como um alvo
Onde as flechas das incertezas
Acertam o foco

Pouco me interessa
Hoje sua compreensão
Fui enganado pela astucia humana
Composta por fraude, ódio e rancor
Eterna ilusão

Sem saber se o meu caminhar
Agrada-me de fato
Conheço meus amigos
Eles: baratas, germes e ratos

Estou faminto pela podridão
E ambicioso para ser o alimento
Dos pequenos seres
Que do meu corpo fazem
Um saboroso banquete.


Cássio de Béggie

Um comentário:

Marcella disse...

eu odeio o cássio


Tchella